Busca

Presidente da APMP participa de mobilização da Conamp no Congresso Nacional

Comissão especial aprova requerimentos do deputado Vieira da Cunha para realização de audiências públicas com representantes do Ministério Público sobre PEC 37/2011. Proposta estabelece exclusividade da investigação criminal à Polícia.

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n.º 37 de 2011, sobre a investigação criminal, aprovou neste dia 18 de abril requerimentos do deputado Vieira da Cunha (PDT-RS) para a realização de audiências públicas sobre a matéria com representantes do Ministério Público. O presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP), César Mattar Jr., participará do debate marcado para a próxima quarta-feira (25), às 14h30. Foram agendadas audiências públicas também para os dias 02 e 09 de maio. Serão convidados integrantes de entidades representativas do MP e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além do presidente do Supremo Tribunal Federal e do procurador-geral da República.
De autoria do deputado Lourival Mendes (PTdoB-MA), a PEC acrescenta um parágrafo ao artigo 144 da Constituição Federal, para estabelecer que a apuração das infrações penais será competência privativa das polícias federal e civil. Atualmente, por determinação constitucional, o Ministério Público e outras instituições também exercem a atividade de investigação criminal.
O presidente da Associação Paraibana do Ministério Público (APMP), Amadeus Lopes, esteve em Brasília, acompanhando a reunião da Comissão Especial realizada neste dia 18. Amadeus foi em comitiva da Conamp composta pelo presidente, os vice-presidentes, Norma Angélica Cavalcanti e Victor Hugo Palmeiro, o secretário-geral, Vinícius Gahyva, e o tesoureiro da entidade, José Silvério Perdigão, os presidentes da Associação do Ministério Público do Rio Grande do Norte (Ampern), Rinaldo Reis, da Associação Cearense do Ministério Público (ACMP), Rinaldo Janja, da Associação Piauiense do Ministério Público (APMP), Paulo Rubens Rebouças, da Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM), Ailton José da Silva, e do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais (CNPG), Cláudio Lopes, o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Marcelo Ferra, e o procurador-geral da Justiça Militar, Marcelo Weitzel.
Em janeiro deste ano, a CONAMP enviou nota técnica a deputados, senadores e ao Executivo contra a PEC 37/2011. No documento, a entidade contesta as justificativas apresentadas pelo autor da matéria, entre elas a de que as investigações realizadas pelo Ministério Público são questionadas perante os Tribunais Superiores e prejudicam a tramitação dos processos. “Parece haver desconhecimento de que tanto o Supremo Tribunal Federal, como o Superior Tribunal de Justiça sedimentaram sua jurisprudência no sentido de que o Ministério Público está constitucionalmente autorizado, como titular da ação penal, a instaurar procedimentos investigatórios de natureza criminal, os quais, é importante frisar, em nada se confundem com o inquérito policial, este sim instaurado exclusivamente pela Polícia Judiciária”, diz a nota técnica, citando diversos casos em que o STF reconheceu o poder investigatório do Ministério Público, como imperativo decorrente de suas atribuições constitucionais.
A CONAMP questiona ainda a alegação da proposta de que a realização de investigações criminais pelo Ministério Público prejudicaria os direitos fundamentais dos cidadãos. Segundo a entidade, a Constituição incumbiu o MP da defesa da ordem jurídica, do regime democrático, bem como dos princípios constitucionais que sustentam o Estado brasileiro. “Para dizer o menos, a tese é, no mínimo, inusitada. E isso por três razões básicas: o Ministério Público, por imposição constitucional, é Instituição vocacionada à

Veja também ...